Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008
Afinal ao entrar no Quebec o GPS continua a falar inglês, o que também não ajudou muito, porque imaginem um americano a ler qualquer coisa em francês e ficam com uma ideia de como eram “interpretados” os nomes das povoações por onde passava. Ao fim de alguns quilómetros na auto-estrada que separa Ottawa de Montreal (cerca de 200Km no total), todas as rádios passam músicas em francês, comentadores em francês, anúncios em francês, concursos em francês… Céline Dion sempre a gritar os seus maiores êxitos… em francês.

Montreal fica numa ilha com o mesmo nome no rio São Lourenço e à primeira vista parece ser uma mistura de Paris com Nova Iorque. É a maior cidade do Quebec, a segunda maior cidade do Canadá a seguir a Toronto e a segunda maior cidade francófona do mundo a seguir a Paris. Tem várias universidades anglófonas e francófonas, é das cidades mais seguras da América do Norte e tem uma vida cultural intensa. Como nem tudo poderia ser positivo, é habitual passarem 5 a 6 meses por ano com temperaturas abaixo de zero. E mesmo no verão, posso dizer-vos que às 9 da manhã a bela da camisola era imprescindível.

Ao chegar a Montreal não tinha alojamento reservado, pelo que simplesmente parei o carro no centro da cidade e dirigi-me aos 3 hotéis que conseguia distinguir naquela rua. Como os preços não eram nada convidativos estava prestes a sair dali e procurar um motel nos arredores quando reparei num prédio que anunciava ter quartos para alugar. Última tentativa… Tratava-se de uma residência universitária que durante o Verão aluga alguns quartos aproveitando a ausência dos milhares de estudantes da cidade. Fiquei no 12º andar, num quarto tão espaçoso que mais parecia um apartamento e com uma vista espectacular sobre a cidade.



Uma das coisas que mais gostei em Montreal foi a mistura pacífica de edifícios novos com casas e igrejas antigas. Muitas vezes noutros locais, parece que o novo vai engolir qualquer construção que tenha um pouco de história. Em Montreal pareceu-me que no conjunto fazia sentido.
Tal como em Paris, em Montreal também existe uma Notre-Dame, bem no centro da cidade. Não é tão grande como a homónima europeia, mas a decoração interior é simplesmente genial!



Nas ruas mais antigas há muito movimento, principalmente de turistas. No entanto, há pequenos pormenores que não deixaram de me surpreender.



Do roteiro turístico também faz parte a cidade olímpica. Montreal acolheu os Jogos Olímpicos de 1976. A construção era bastante futurista para a época, baseada nas estruturas que encontramos na natureza, e o estádio olímpico foi o primeiro a ter uma cobertura. No entanto, a construção ficou muito mais cara do que o inicialmente previsto, ficando a cobertura do estádio permanente em vez de ser retráctil e a torre do estádio ficou pronta apenas após os Jogos Olímpicos.

Curiosidades sobre os Jogos Olímpicos de 1976: foram os mais caros de sempre, 28 países africanos boicotaram estes jogos, Taiwan foi impedido de participar e são os jogos de Nadia Comaneci (a tal jovem ginasta romena de 14 anos que obteve a pontuação máxima por sete vezes!).



Mesmo em frente a Montreal existe uma outra ilha mais pequena onde em 1967 teve lugar a Exposição Mundial. Actualmente ainda existem alguns vestígios da exposição (como o pavilhão da França transformado em casino…), mas a maior parte da ilha é ocupada por jardins e um parque de diversões altamente recomendável para quem é roller-coaster freak (como eu), chamado La Ronde (http://www.laronde.com/)
Saí de Montreal, depois de ter comido Poutine (batatas fritas com queijo e ketchup, ou com outras variações de molhos) a quase todas as refeições, em direcção à cidade do Quebec. Mais uma vez sem alojamento pré-definido, a ver o que a sorte ditaria, entrei na primeira rua do centro histórico e literalmente bati à porta das três primeiras casas que vi. Note-se que não tenho hábito de bater à porta da casa das outras pessoas, pelo menos desde os meus 12 anos, e que no caso a rua deveria ser totalmente composta por B&B, pensões, hotéis, pousadas e afins. À terceira tentativa, consegui um preço razoável numa casa que parecia saída de um filme, com um proprietário que falava 50% inglês e 50% francês e um quarto no último andar com lareira.



A cidade do Quebec é muito pequena, principalmente quando comparada com Montreal. O centro fica dentro de uma muralha,
numa localização privilegiada na margem do rio São Lourenço, e é património mundial da UNESCO.
Uma boa descrição para o centro histórico da cidade do Quebec poderia ser Dineyland para adultos. A beleza dos prédios antigos, as flores por toda a cidade, a limpeza das ruas, a animação de rua de dia e de noite, a paisagem idílica sobre o rio…

   

A dominar a cidade antiga está o Château Frontenac, um hotel histórico fantástico construído no final do século XIX para a companhia de comboios do Canadá.



Para norte da cidade começam as montanhas. Fui ainda até Baie-Sainte-Paul, que fica numa baía (daí o nome…) e a partir de onde pode apanhar-se um barco para ver e acompanhar as baleias no mar entre o Canadá e a Gronelânia.



Infelizmente já não tinha tempo para essa experiência, já que o voo para Calgary estava marcado para o dia seguinte (21 de Agosto) e tinha pela frente ainda muitos quilómetros de estrada pelas montanhas rochosas do Canadá. Para compensar, fui até ao Tim Horton’s mais próximo e perdi-me nas dezenas de opções de muffins, scones e bagels…

(continua…)

António Teixeira



publicado por JoanaTorrado às 14:30
link do post | comentar | partilhar


mais sobre mim

Para questões relacionadas com o Blog: Enviar email


visitante(s) em linha
pesquisar
 
posts recentes

"Une poutine, s’il vous p...

arquivos

Maio 2012

Dezembro 2011

Agosto 2011

Maio 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Junho 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

links
tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds